Notícias

Em entrevista, Funcionário da Madhouse diz que trabalhou 393 horas em um mês

| por:

Postado em: #Animes #Japão

Depois de ser hospitalizado por a excesso de trabalho, o assistente de produção da Madhouse entrou para o sindicato Black Company que pede o pagamento das horas extras.

Em 5 de Abril, um assistente de produção do  Estúdio Madhouse se juntou a um sindicato e iniciou o processo de negociação coletiva. O assistente anônimo está pedindo indenização por horas extras não pagas, bem como um pedido de desculpas pelas várias formas de assédio de poder que recebeu. A Bungei Shunju Online publicou uma entrevista com o assistente na segunda-feira (22/04), que detalha mais sobre as circunstâncias que o levaram a agir.

O assistente de produção explicou: “Durante a crise, o máximo que eu trabalhei foi de 393 horas por mês”. O limite proposto pelo governo japonês para horas extras por mês é de 100 horas.

O assistente também falou em detalhes sobre as circunstâncias que o levaram a ser hospitalizado devido ao excesso de trabalho:

“Eu estava trabalhando em um dos episódios posteriores de uma série. Os storyboards só terminaram um mês antes da transmissão, então tivemos que compactar um cronograma de produção de três meses em um mês. Durante esse tempo eu iria dormir no estúdio por três dias, só indo para casa tomar banho.”

“Foi por volta das 7 da manhã quando eu estava voltando para o meu apartamento um dia quando toda a fome, cansaço e estresse sobre todas as coisas que eu tinha que fazer chegaram a mim e eu desmaiei na estrada. Um policial tinha acabado de passar quando eu acordei, eu estava tipo, “Ah, trabalho demais, huh”, tinha um pouco de soro pingando em mim, tinha pago uma taxa de 10.000 ienes por uma ambulância e depois fui para casa desse jeito.

Quando o assistente ligou para o estúdio para informá-los do que aconteceu, disseram-lhe para tirar um dia de folga. Mas foi uma semana antes da transmissão. O assistente voltou a trabalhar no dia seguinte. No entanto, ele lembra que o diretor de animação continuou pedindo retomada até o final para atender aos padrões de qualidade. Quando o trabalho foi finalmente concluído com um padrão “mínimo” ao custo do sono de todos, os superiores assumiram que tudo estava bem e nada foi resolvido.

Após esse incidente, o assistente foi diagnosticado com uma reação psicogênica. Após dois meses de medicação durante o trabalho, a assistente recuperou-se e juntou-se à Black Company Union, um sindicato formado em 2017 que oferece consultoria e apoio a trabalhadores de diversas indústrias.

A Mayo Clinic define uma reação psicogênica, também chamada de distúrbio neurológico funcional, como uma doença que afeta o sistema nervoso “que não pode ser explicada por uma doença neurológica ou outra condição médica. No entanto, os sintomas são reais e causam sofrimento significativo ou problemas funcionando”. Uma reação psicogênica pode fazer com que uma pessoa não possa andar, engolir, ver ou ouvir. A reação pode variar em gravidade, mas não pode ser controlada pela pessoa afetada.

Enquanto isso, a assistente acumulou três milhões de ienes (US$ 26.800,00) em horas extras não pagas. De acordo com o ativista dos direitos trabalhistas dos jovens, Shōhei Sakakura, a Madhouse tem uma taxa fixa por mais de 50 horas:

“Se você trabalhar mais de 50 horas, não receberá nenhum dinheiro extra. No entanto, isso não foi explicado ao funcionário antes de ele se juntar à empresa. Depois de fazer as contas, acreditamos que ele acumulou três milhões de ienes valor de horas extras não pagas”.

O assistente disse que sua situação não se limita a pessoas que trabalham em Madhouse:

“Assistentes de produção, especialmente quando trabalham em uma série de TV, tendem a trabalhar mais de 100-200 horas por mês. Nos estúdios de subcontratação, eles nem sequer têm um cartão de hora para as pessoas registrarem suas horas.”

O assistente disse que, ao se apresentar, ele se preocupa que perdeu a chance de ser promovido. No entanto, ele sente que suas ações foram necessárias. Em 2010, um assistente de produção da A-1 Pictures morreu por suicídio. O Escritório de Inspeção de Normas Trabalhistas de Shinjuku citou a depressão devido ao excesso de trabalho como a causa do suicídio do funcionário. O assistente de produção do Madhouse disse que deseja impedir que novas tragédias desse tipo aconteçam.

“As pessoas me perguntam se estou tentando destruir Madhouse, mas não é isso que quero fazer. Só quero melhorar as condições de trabalho.”

O estúdio de animação Madhouse foi fundado em 1972 por ex-animadores do Mushi Pro, incluindo Masao Maruyama , Osamu Dezaki , Rintaro e Yoshiaki Kawajiri. Maruyama deixou a empresa em 2011 para formar o Studio MAPPA. Madhouse é um dos estúdios de animação que tem uma das maiores quantidades de fãs pelos seus trabalhos, muitos deles bem conhecidos como Cardcaptor SakuraDeath Note e a primeira temporada de One-Punch Man, por exemplo.

Por enquanto isso é tudo, mas a nossa central de animes continuará atenta para novidades.

Fonte: Bungei Shunju Online via ANN

– Mais notícias de animes? Clique neste link!

Não perca nenhuma atualização, siga-nos no twitter: @Anime_Xis
Conhece nosso Canal no Youtube?
Curta nossa página no Facebook: Anime Xis e entrem no nosso Grupo: Anime Xis!

amazon-mangas

Sobre o autor

Luiz GP

Luiz é editor dos sites Anime Xis e Revista Mundo OK. Formado em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e um fã de animes e cultura japonesa. Além de professor escolar, já atuou como locutor de web-rádio, fã de esportes (principalmente NFL, NBA, NHL, MLB e ciclismo), torcedor do São Paulo FC e baixista de banda de rock as vezes. Duvidas? Siga-me que eu respondo -> twitter e Insta: @oluizgp