Artigos

Designer fala aos estrangeiros que eles não deveriam se mudar para o Japão para trabalhar com animes

| por:

Postado em: #Animes #Japão #Mangás #Produtos #Vídeos

Terumi Nishii, a designer de personagens de Jojo's Bizarre Adventure alerta os fãs estrangeiros sobre as dificuldades de trabalhar em animação japonesa.

Aoi: “- Sai da freeeente!” (Anime: Shirobako)

Com uma carreira de duas décadas na indústria de anime e uma boa compreensão da língua inglesa, a animadora e designer de personagens Terumi Nishii parece que ela seria a embaixadora perfeita para o meio da animação japonesa. E com certeza, a segunda das duas contas do Nishii no Twitter é algo que ela criou especificamente para se conectar com aficionados de anime no exterior.

“Eu sou animadora japonesa. Eu estou participando de convenções e eventos em todo o mundo! Vamos nos divertir juntos! https://t.co/2N8RfelbYr “

No entanto, se você estiver pensando em entrar em contato ou seguir Nishii, cujos principais créditos incluem atuar como designer de personagens para JoJo’s Bizarre Adventure: Diamond is Unbreakable, Mawaru Penguindrum e Kimi no Iru Machi, para obter dicas sobre como invadir o Japão e entrar na indústria de animes, o primeiro tweet dela que você deve ler é um de seus mais recentes, no qual ela diz: “Não importa o quanto você gosta de anime, não é aconselhável vir ao Japão e participar de um trabalho de anime.”

No último dia 22 de Abril, ela publicou vários tweets comentando e explicando algumas coisas, mas isso não é porque Nishii é contra a internacionalização ou sente que a indústria está falida criativamente. Em vez disso, ela ficou tão chateada com as condições de trabalho para os profissionais de anime no Japão que ela não acha que pode recomendar tentar ganhar a vida com isso.

É de conhecimento comum há algum tempo que trabalhar na indústria de anime significa baixo salário por muitas e muitas horas para todos e essa definitivamente foi a experiência de Nishii, que diz que seu primeiro cheque de anime foi de 2.800 ienes (US$ 25,00), que subiu para um ainda insignificante 60.000 ~ 100.000 ienes por mês depois de ter conseguido um ano de experiência de trabalho em seu currículo. A duplicação é que, mesmo depois de se tornar uma designer de personagens, vários degraus acima da hierarquia de um animador de base, ela ainda não encontra as condições de trabalho para ser equitativa e ela não acha que a insatisfação entre aqueles com o título dela é único.

Nishii também aponta um triste segredo da indústria de anime, que é que com a renda dos jovens animadores sendo muito abaixo do que eles precisam para se sustentar, muitos têm que contar com injeções de dinheiro em suas contas bancárias de seus pais. Em outras palavras, mães e pais japoneses não estão apenas apoiando a indústria de animes do lado da demanda, oferecendo subsídios para fãs adolescentes com os quais comprarem produtos de anime e produtos relacionados, mas também do lado da oferta, diminuindo os custos de produção fornecendo parte de um salário que os estúdios não são.

Então a questão é: como melhorar a situação?

Vários comentaristas sobre os tweets ingleses de Nishii falaram sobre a sindicalização dos trabalhadores de anime, o que seria um processo complexo. Para começar, no Japão os sindicatos são organizados por empresa, não por indústria. Por exemplo, não há sindicato de trabalhadores automotivos. Em vez disso, os funcionários da Toyota têm seu próprio sindicato específico, assim como os trabalhadores da Mazda, Nissan, etc. A grande maioria dos artistas de anime, no entanto, são freelancers, contratados por projeto e não funcionários permanentes de qualquer estúdio. Por acaso, estamos trabalhando em uma produção no momento.

Uma possível solução mencionada por Nishii é que artistas japoneses trabalhem mais com projetos estrangeiros e financiadores estrangeiros. A própria Nishii está fazendo exatamente isso, já que está encarregada dos desenhos de personagens para o anime CG da Netflix, Knights of the Zodiac: Saint Seiya, um remake da série clássica:

Outra possível saída é que os artistas de anime também têm seus próprios projetos solo, como o mangá de Nishii, Crown of Ouroboros, que ela publica on-line em japonês e inglês (clique neste link e conheça mais sobre o mangá):

Dito isto, criar a sua própria série proprietária ao lado, ao mesmo tempo em que trabalha no anime de outra pessoa, não é viável para muitos, que simplesmente não têm tempo ou energia para queimar sua vela criativa em ambas as extremidades, especialmente quando Nishii nos lembra, o grande número de séries de anime que estão sendo produzidas nos dias de hoje já pesa sobre os animadores, tanto fisicamente quanto mentalmente.

O óbvio seria apenas pagar mais aos animadores e deixá-los trabalhar menos, mas mesmo isso não é uma solução perfeita… Anime é, e tem sido por algum tempo, uma indústria de sucesso, com muitas séries devido a sua existência para manter os custos baixos, esperando que o resultado final é que mistura indeterminável de fatores que o torna um sucesso crítico e comercial. Esses custos baixos são o que permitem que tantas séries sejam produzidas e transmitidas pela TV de modos gratuitos no Japão. Aumentar esses custos, seja pagando mais ou diminuindo os horários de trabalho (o que exigiria atrasos na liberação / receita ou a contratação de um número maior de animadores para obter a mesma quantidade de trabalho no mesmo número de dias) significa que muito séries de anime que estão recebendo sinal-verde no ambiente de negócios atual veriam que o sinal mudaria para um vermelho e nunca seria produzido.

Do ponto de vista do consumidor puro, isso pode não parecer uma coisa tão ruim. Afinal, quem realmente tem tempo, ou até o desejo, para assistir a cada nova série que o Japão está lançando agora? Mas isso cria outra questão, que é o que acontece com os animadores que teriam sido contratados para trabalhar nos animes de baixo orçamento que não serão feitos se os custos de produção aumentarem. Existe um contrapeso perfeito, onde todo esse trabalho é reabsorvido em um trabalho melhor remunerado e menos estressante na série que ainda recebe sinal-verde em um mundo onde o anime de baixo orçamento não é mais produzido?

Terumi Nishii apresentando seus trabalhos em evento no Japão (imagem: Divulgação)

Ou o offset não é exato e a indústria que produz menos séries se traduzirá na necessidade de menos pessoas? Esse cenário significaria que uma certa porcentagem de pessoas que trabalha atualmente nos níveis mais baixos de produção teria que desistir de seus sonhos de anime inteiramente quando seus empregos desaparecessem, forçando-os a encontrar empregos em outros campos de trabalho independentemente de serem talentosos ou não / ou com sorte o suficiente para se tornarem criadores de anime de sucesso, depois de suportar condições de trabalho desanimadoras durante o tempo suficiente para conseguirem a sua oportunidade.

Novamente, não há solução perfeita e se a indústria permanece como está ou muda drasticamente, algumas pessoas provavelmente se machucam no processo. Portanto, se há um artista que você ama, lembre-se de que, embora seu entusiasmo possa aquecer seus corações, eles não podem continuar fazendo o que fazem sem que seu fandom suporte financeiramente suas criações também.

Ami: “- Se dá para continuar a animar durante a madrugada? Tranquilo, nem parece que comecei a trabalhar a meia noite de ontem.” (Anime: Shirobako)

Lembrando que isso tudo vêm logo de encontro com o caso do assistente de produção da Madhouse, que recentemente deu uma entrevista à um jornal japonês dizendo que trabalhou 393 horas num único mês, também chegando a ser hospitalizado de tanto trabalhar e agora luta junto à um sindicato para ter as suas horas extras pagas, além de um pedido de desculpas do estúdio.

Uma outra coisa e não indo tão contra as palavras citadas pela designer e também nem contra a verdade, é que independentemente de quem entra nessa industria, as coisas podem acontecer de maneiras boas ou não, ou seja, a pessoa pode dar de cara com essa realidade descrita acima ou então acabar encontrando um cenário bem diferente (que pode ser melhor ou até pior também), logo, cada caso é um caso.

Fontes: ANN (Lynzee Loveridge), Twitter de Terumi Nishii, SoraNews

– Mais notícias de Animes? Clique neste link!

Não perca nenhuma atualização, siga-nos no Twitter@Anime_Xis InstagramAnime_xis
Conhece nosso Canal no Youtube?
Curtam nossa página no FacebookAnime Xis e entrem no nosso Grupo: Anime Xis!

amazon-mangas

Sobre o autor

Luiz GP

Luiz é editor dos sites Anime Xis e Revista Mundo OK. Formado em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e um fã de animes e cultura japonesa. Além de professor escolar, já atuou como locutor de web-rádio, fã de esportes (principalmente NFL, NBA, NHL, MLB e ciclismo), torcedor do São Paulo FC e baixista de banda de rock as vezes. Duvidas? Siga-me que eu respondo -> twitter e Insta: @oluizsama

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com